Ícaro e Medusa

Bica Curta servida no CM, 3.ª, dia 7 de Agosto

Jacob_Peter_Gowy-icaro-prado
O voo de Icar, Jacob Peter Gowy

Vi um homem voar como Ícaro e não cair ao mar. Sobrevoou o Canal da Mancha, de pé, em cima de pouco mais do que um tapete. Quando eu era um jovem hippie dançava o Magic Carpet Ride, dos Steppenwolf, sem sonhar que esse tapete mágico seria, hoje, uma realidade. E, bica curta na mão, vi também, um robot flexível e com pele. Não de metal, mas com pele de medusa. Minúsculo, 4 mm, desliza, salta e nada, para levar remédios ao tracto gastro-intestinal ou às coronárias.

Ícaro e Medusa. A ciência, a abençoada ciência capitalista, reencontra o gosto do maravilhoso da mitologia grega. O passado reinventa-se para nos oferecer o futuro.

 

 

Mais África

Mara-X-Phone-Android

Bica Curta servida no CM, 5.ª feira, dia 13 de Junho

Chama-se Mara e é o primeiro telemóvel criado em África. Desenvolvido no Ruanda, vai ser produzido ali e na África do Sul. Écrã Gorilla Glass, som Dolby, processador de 8 núcleos, custa 140€. Eis o que África precisa. De iniciativa, indústria, cooperação entre nações. O empreendedor é Ashish Thakkar, indiano nascido em Londres, infância e adolescência vividas no Ruanda, como eu em Luanda. Primeiro o tirano Idi Amin, depois o genocídio expulsaram-no, mas Ashish voltou. África é a sua bica curta.

Ouço muito paleio de ressentida negritude e autenticidade identitária. Ora, a África precisa de menos queixa e muito mais empresas.

Uma alegria africana

Bica Curta servida no CM; 5.ª feira, dia 30 de Maio

naughty-girls

Hoje, a minha bica é mistura perfeita de arábica do Quénia e robusta de Angola. Devo a África uma infância e adolescência de alegria e emoção. Faço de cada passo de África a caminho do desenvolvimento uma vitória minha. E vejo na mundialização uma das bênçãos que, em 30 anos, baixou em 60% a mortalidade infantil: morriam 180 em cada mil crianças, hoje só 75.

E não é só África. Com a melhoria de vida dos países emergentes, a taxa de pobreza no mundo, de 36% em 1990, passou a 8,6% em 2018 e a taxa de sub-alimentação baixou 50%. Grandes passos: deram-nos as pernas da tecnologia, comércio, negócios. Belas pernas humanas.

Futuro luminoso

Bica Curta, servida no CM, 4.ª feira, dia 29 de Maio

nuclear_forsmark_
Os reactores de Forsmark, na Suécia

Esta é uma bica atómica. O nuclear é bom, limpo e seguro. Combinado com as energias renováveis, é nele que reside a esperança de uma energia que ajude a limpar o planeta, garantindo o desenvolvimento. Podia ser só a tese de um livro, A Bright Future, da autoria de um professor americano e um cientista sueco. Mas o nuclear é a realidade na Suécia e no Canadá, no Ontário, baixando brutalmente as emissões de carbono, duplicando a produção de energia. Mais barata.

O mundo precisa de energia que alimente o crescimento, capitalismo e comércio, para continuar a tirar da pobreza milhões de pessoas. O nuclear matava, hoje salva.

Libertação e atraso

colonialismo

Bica Curta servida no CM, no passado dia 27 de Março

Em 1975, estava eu em Luanda, de bica cheia com o povo que conquistava a independência, libertando-se do jugo colonial.

Fechava-se em Angola o ciclo iniciado nos anos 60, na Argélia, ciclo de um certo modelo revolucionário de libertação dos povos colonizados, com indisfarçável apoio soviético. A Argélia quer agora sair da estagnação, do cemitério assombrado onde se enterrou há 60 anos. Muito se culpou o colonialismo por esse atraso. É preciso dizer, hoje, que o modelo de libertação, mescla de marxismo e Frantz Fanon, foi também, da Argélia a Angola, um passaporte para o desastre. Não tinha um pingo, uma ideia de desenvolvimento.