Bicas a sonhar com o futuro

space

 Estas foram as bicas servidas no CM, de 3.ª, dia 22, a 5.ª, dia 24 de Outubro

Um futuro feliz

Quero, hoje, beber a bica cheia com o cineasta Francis Coppola. Tem 80 anos e anda a montar a produção de um filme, “Megalopolis”, que vai mostrar a raça humana em rumo a um futuro mais feliz.

Delírio de um velho? Também já vou para velho e estou 100% com ele! As visões catastrofistas dos progressistas regressivos negam a realidade. Coppola tem razão: o mundo é hoje muito melhor do que há 80 anos. Há menos miséria e fome, menos mortos em guerra, mais igualdade de mulheres e homens, menos mortalidade infantil. “Megalopolis” vai celebrar a inteligência humana. Confiem nos velhos: já viram e experimentaram muitas vezes o futuro.

Duas mulheres

Pode alguém tomar a bica curta no espaço? Temos de perguntar a Jessica Meir e Christina Koch, astronautas americanas que saíram da nave espacial em que viajavam e mergulharam no vazio para substituir baterias de 100 quilos que pifaram, digamos assim, dias antes. Pela primeira vez, duas mulheres, sem nenhum astronauta masculino a fazer par, flutuaram no cosmos durante sete horas. Do espaço, a 420 km do Brexit, da Catalunha, do novo governo de António Costa, viram a Terra rodar a cada 90 minutos, o Sol pôr-se e nascer, olhos postos no infinito.

Duas mulheres caminharam no espaço e fizeram, bem, o trabalho que tinham de fazer.

Um dedo no olho

Lá vai Jerónimo de Sousa, formoso e não seguro: acerta em tudo mesmo se se engana.  Meteu um dedo no olho do grande capital, culpando-o de esganar o PCP. Ora, o drama de Portugal é não beber a bica cheia com o capitalismo.

Chama-se unicórnio às empresas tecnológicas que valem mil milhões de dólares, essenciais para a riqueza de um país. Na América estão 49% dos unicórnios. Na China, 24%, A Inglaterra e a Índia têm 5%. A Europa está no fim da bicha e Portugal tem três unicórnios. Eis o que nos falta: a Europa tem de ser um pólo do capitalismo, eixo para criar e distribuir riqueza. Isso é que é espetar o dedo no olho do populismo.

O Escrever é Triste ligou-se ao grande capital

Lembrei-me dos meus amigos, companheiros, camaradas do Escrever é Triste. Saudades reforçadas por saber que, afinal, são todos empreendedores e ligados ao grande capital. Não admira que, tentando reencontrá-los, tenha chocado com os mais clamorosos anúncios, sinais exteriores do alto bling-bling de todos eles e da sumptuária e inconsumpta riqueza em que vivem.

Comecemos pelo Norton. O Pedro, está claro. É Norton, sim, mas esqueçam lá o antivirus. O meu amigo Norton, se é unapproachable, é por outras e velozes razões, reiteradas há mais de um século em maravilhosos anúncios vintage.

metal-norton-motor-cycle-plaque

E, diga-se, gerações  mais recentes tendem a desmentir (ou talvez não) a inacessibilidade do Norton.

nortonad

E lembro que, vintage por vintage, as nossas Vasconcellos, a Eugénia e a Rita, são as donas da primeira marca portuguesa, como testemunha a mais vibrante imprensa francesa.

Vasconcellos ad

Tanto que a Eugénia é, francês à parte, também sonhada em novelas na língua cervantina.

Eugenia

 

Já o Henrique, o Monteiro – ou Montero, como lhe chamam na esmagadora maioria do estrangeiro – é o todo o terreno em que todos querem pôr a mão.montero

Pois muito bem, mas eu próprio tenho de confessar que a infindável fonte dos meus inconfessáveis proventos vem de negócios ínvios e fumos desavindos. A publicidade é tão megalomana que até me envergonha um bocadinho. Paciência, o que interessa é que a conta bancária é uma irrespirável onda de fumo – mas onde há fumo há fogo.

Fonsecas

Ajudem-me a revelar os terríveis negócios em que se camuflam os outros!