Experimentei morrer

mule

Tomei a bica curta. Ia ao cinema e precavi-me, que a sala escura convida ao sono. Vi “O Correio da Droga”, de Clint Eastwood, actor e realizador a um passo dos 89 anos. Fez já uns cinco filmes a roçar a perfeição.

Se estão prontos para experiências fortes vejam “O Correio da Droga”. O filme desliza suave e irónico como a carrinha de Eastwood pelas estradas da América. Mas, a pouco e pouco, a morte, a consciência da morte, invade-nos. Saí da sala com a alma ao colo. Tenho 65 anos, sei que vou morrer, mas foi a primeira vez que experimentei morrer um bocadinho. Morrer é assim, tristeza tão bonita, um esplendor que nos faz chorar.

clint

Bica Curta, publicada no CM

7 thoughts on “Experimentei morrer”

  1. Também gostei do filme. Mas morrer não é assim. Já morri várias vezes e esse esplendor triste não o senti. E no entanto tem razão, a quem está vivo e consciente de que a morte não está longe – até pelo andamento do filme -, aparece a morte como o tal esplendor triste. Não se iluda, morrer é outra coisa. Garanto.

    Like

  2. A morte como sol poente? Ou a vida, que não morre nunca, antes nasce e renasce?

    Também gostei de “La Mule” (vi o filme em Paris), mas sobretudo da interpretação de Clint Eastwood (aos 88 anos de idade!) e da fotografia… Que mais?

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.