Se sentes que está mole, não faças

charles
Charles Bukowsky

Há sem­pre outra forma de dizer as coi­sas. Há mui­tos anos, Michel Lei­ris, um fran­cês esque­ci­dís­simo, ensi­nou e, por um feliz acaso de lei­tura, ensi­nou tam­bém ao “eu” que eu era aos 18 (?) anos, que a escrita é uma forma de tau­ro­ma­quia – como o amor e a foda do amor. Escre­ver é expor-se: um tipo escreve como um mata­dor dança à frente de um touro em pon­tas. Se o touro marra, um tipo esvai-se em san­gue. Para deli­ca­de­zas é melhor que se esco­lha outro ramo.

Agora, ouço o recado, o pequeno e delicado conselho que Bukowsky, o orgâ­nico Bukowsky, deu (tal­vez não exac­ta­mente como Rilke) a todos os futu­ros escri­to­res. Ouvi-o e, para castigo, ficarei a ouvi-lo todo santo dia, toda a santa noite.

 

2 thoughts on “Se sentes que está mole, não faças”

  1. Num blogue brasileiro que eu sigo com algum interesse, Gigantes da Literatura Mundial, o Bukovski é um dos mais citados, ao lado da Clarice Lispector, Dostoievski, Nietzche, Machado de Assis. Não se pode dizer que os brasucas não têm bom gosto.

    Like

    1. Albertino, meu caro, claro que sim, que os brasileiros têm bom gosto. E têm um final de século XIX e um século XX de grande literatura, de música prodigiosa, e de pensamento e reflexão. A pena que eu tenho de conhecer tão pouco ( e estou a falar a sério).

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s