Burn, baby, burn

abraxas

Num qualquer dia de 2020 fará 50 anos que Carlos Santana tocou pela primeira vez o “Samba Pa Ti”. A canção, do álbum Abraxas, inflamou a Luanda colonial com dissolução e farras. Todos os sábados à noite a cidade ardia logo aos primeiros acordes e o desvairado fogo era o nosso paraíso. Foi a canção que os meus 17 anos mais dançaram, sem quase me mexer que é o melhor que se pode fazer no meio de um incêndio.

SANTANA

Descobri que mesmo um inglês, o atípico anglo-saxónico Nick Hornby, para além de lhe chamar um fósforo, também disse que “Samba Pa Ti” é  “a classic slow-burning, seductive piece”.

Experimentem agora arder um bocadinho.