Bica curta: tribunais, baladas e Brexit

Este é o meu quase diário.
Escrito a bicas-curtas. Uma, tomada no tribunal; outra, com Bob Dylan e Zeca Afonso; a última, na fronteira das Irlandas, já de chapéu posto. 

robot safety

 

 

Bica Curta
3ª feira,  29/1/2019

A juíza fria
A bica estava a saber-me tão bem que pensei, isto hoje está bom para assaltar o Banco de Portugal e sacar uns 50 quilos de ouro. Pois sim, e a chatice da polícia e tribunal? Talvez, e era a bica a saber-me bem, apanhasse uma juíza gira que se encantasse comigo e me desse liberdade condicional em casa dela! Mas a menina do café acenou-me com uma notícia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts: os tribunais vão ter inteligência artificial e um algoritmo avaliará se o réu é menino para repetir o crime, decidindo se fica preso ou sai em liberdade. Eis o futuro: tal como a bica, uma máquina servirá a justiça. Vai é servi-la fria.

jose-afonso

Bica Curta
4ª feira,  30/1/2019

Maior que Bob Dylan
Descobriram-se gravações inéditas de José Afonso. Eu fumei-o, bebi-o e dormi-o em aventuras entaladas entre a adolescência e a maturidade. Sempre pensei: o Zeca podia ser tão grande, no mundo, como é Bob Dylan. “Somos Filhos da Madrugada” devia ser o hino de quem tem 18 anos de sede, tesão e inquietação.

Dizem-me: o Zeca é um “cantor de intervenção” e já o diminuem. Sobrevaloriza-se a política e deixa de se ouvir a sua realíssima emoção musical. Era de esquerda. Era, haja Deus. Mas Fernando Pessoa também é de direita e não é por isso que o lemos. Triunfasse a esquerda que tanto faz dele bandeira e, abafado, nem o Zeca cantaria.

brexit

 

 

Bica Curta
5ª feira,  31/1/2019

O sonho e o pesadelo
Em Portugal, o sonho da extrema-esquerda, PCP ou Bloco, é a saída da União Europeia, o nosso Portexit. A direita populista inglesa, aliada aos próceres da desregulação da alta finança da City, e em involuntária veneração aos nossos PCP e BE, experimentou a receita. Resultado, não há bicas curtas para ninguém: as empresas fogem, espatifam-se empregos e o regresso da fronteira entre as Irlandas acende até o velho rumor dos tiros. Um caos a que Trump bateu palmas em público e o insidioso Putin nos bastidores. Afinal, descobrem os ingleses, havia reais benefícios na Europa. Percebeu a nossa extrema-esquerda o pesadelo do seu sonho?