Fios de prata

Gosto destas tardes. Um calor denso, horas presas por quentíssimos fios de prata. A única fuga é direitinha ao céu. Deitado na areia, andam pela minha cabeça restos de infância, a inocente motorizada NSU do meu pai a atravessar o musseque Sambizanga, eu à frente, quase ao colo dele, a minha irmã atrás, a caminho da escola da Missão de São Paulo. Eu, devagarinho e menino, a deixar de ser português, devagarinho e menino a balbuciar Luanda, Angola. Dor e prazer que sempre trago e com que morrerei, a de querer ser, ao mesmo tempo, essas impossíveis duas coisas.

Ah, este é um bilhete postal para a Alice, que hoje faria 96 anos. E faz, nesta minha cabeça de palmeiras e Sambizanga.

6 thoughts on “Fios de prata”

  1. Boa tarde Manel
    Continuo a apreciar as tuas crónicas e particularmente as que recordas a nossa Luanda. Tem piada algumas coincidências com o meu trajecto – as viagens na NSU, a passagem pela escola de S.Domingos em 1957 e depois pela escola 15 na Vila Clotilde, o percurso pelo Salvador Correia, etc etc.
    Vai dando mais algumas lembranças dos bons tempos passados ali.
    Quando vieres a Faro diz .
    Abraço
    Delfim

    Liked by 1 person

  2. Não conheço Luanda mas, destas crónicas, conheço Alice. Vivemos na memória de quem nos gosta. Mas não é a mesma coisa.

    Like

Leave a Reply to Bea Cancel reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.