Enigmas e haikus

 

Bebedor Nocturno

 

Por pudor ou liber­dade, Her­berto Hel­der diz na capa que são poe­mas muda­dos para por­tu­guês. O livro chama-se, uma ima­gem feli­cís­sima, “O Bebe­dor Noc­turno”. Nele se reu­nem poe­mas mexi­ca­nos e can­ções indo­né­sias, enig­mas maias e hai­kus japo­ne­ses. Em todos per­passa a lín­gua por­tu­guesa naquela forma única que ganha quando Her­berto a escreve ou diz. É um livro que paira num lugar inlo­ca­li­zá­vel: está acima da cul­tura, da lite­ra­tura, da aca­de­mia, situando-se na nómada curva da alegria.

Volto a lê-lo, em meias-horas de volú­pia silen­ci­osa, tão dife­rente e tão igual ao riso com que, no pri­meiro ano da década de 70, entre Luanda e a barra do Kwanza, o lia aos gri­tos na areia a fer­ver das praias do km 36 ou, Jesus Cristo sobre as ondas, no kayak a des­li­zar sozi­nho pelas águas quase rasas dos mangais.

Por exem­plo, tão bonito este enigma asteca:

– Uma coisa que vai pelos vales fora, batendo as pal­mas das mãos como uma
mulher que faz tor­ti­lhas?
– A bor­bo­leta voando.

Ou então este haiku:

Libé­lula ver­me­lha.
Tira-lhe as asas:
Um pimen­tão.

Foi o que, cor­ri­gindo a natu­reza, escre­veu Kikaku. Mas logo o sábio Bashô lhe cor­ri­giu a correcção:

Pimen­tão ver­me­lho.
Põe-lhe umas asas:
Libé­lula.

E é Bus­son que, pela mão, põe a minha feli­ci­dade de lei­tor na sua ver­da­deira casa:

Ah, o pas­sado.
O tempo onde se acu­mu­la­ram
os dias lentos.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.