do not go gentle into that good night

thomas_portrait

A certas horas da noite a morte seduz e assusta-nos. Mas há convites a que não se pode ceder sem uma boa luta. Mesmo que o sonoro convite seja dito em “g” de gentle, consoante que o meu Aurélio diz ser fricativa palatoalveolar quando precede a vogal “e”, como é o caso neste poema de Dylan Thomas.

Gosto do ritmo, das rimas e do trovão de érres que se repete em  “Rage, rage against the dying of the light”.

Entre a doçura e a fúria, Thomas terá escrito este poema, inundado de vogais abertas, quando o pai adoeceu gravemente. Só o publicou depois dele ter morrido.

Vale a pena ouvi-lo na pessoalíssima voz (tão teatral) do poeta galês.

 

4 thoughts on “do not go gentle into that good night”

  1. Gosto deste poema e nunca o imaginaria dito desta maneira, quase melódica, quando o tom é mais pesado. Digo os últimos quatro versos para mim volta e meia… têm força.

    Like

  2. Quem sabe foi deste poema que se lembrou Lobo Antunes quando deu a um livro o título, “Não entres tão depressa nessa noite escura”. O sentido é outro, ou será o mesmo. Não interessa.
    E fica muito bem dito na sua voz dramática e que a mim me parece quase comovida. Não sei se foi por amor que os deuses o chamaram. Ou se nem o chamaram e ele mesmo foi por seu pé e trambolhão. Ao contrário dele, a poesia que deixou dança até fora das linhas.

    Like

Leave a Reply to Gonçalo Cancel reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.