Keith Richards

keith richards

Têm de ler “Life”, a biografia do Keith Richards. Emba­lei, ina­lei e o diabo a qua­tro, quando de repente o gajo, meu kota, me diz que foi o avô Gus a dar-lhe as dicas para o ensi­nar a tocar gui­tarra. Tudo numa única lição: tocas a Mala­gueña e és músico, não tocas e vai-te des­pir que a gente já te atende.

Ainda pen­sei que era uma bou­tade, mas bem mais à frente no livro, percebe-se que o Keith sendo mais de se des­pir do que de fran­ce­sis­mos, volta, ves­ti­di­nho e ao pé do ado­rado avô, a servir-se da mesma refe­rên­cia: tudo o que há para se apren­der está na puta desta can­ção. Um puto inglês dos anos 50 apren­deu a tocar gui­tarra com uma can­tiga mexi­cana a suar nos­tal­gia de Málaga por tudo o que é poros. E não foi o Ins­ti­tuto Cer­van­tes nem o raio que o man­dou apren­der assim. Foi o saxó­nico ou lá o que é avô dele: por gos­tar e saber do que gostava.

Isto não vai lá com sub­sí­dios nem com cara feia, isto vai lá com amor e com gajos bons.

2 thoughts on “Keith Richards”

  1. Julgo eu que vi um filme sobre a vida deste músico e em que ele aprendia a tocar a malaguenha mas acompanhado. Lembro-me de ser a única música que queria aprender. Ou então sonhei isto e não há filme nenhum além do que me pinta o imaginário.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s